carnaval 2018 Dexaketo Escolas de Samba Grupo Especial RJ 2018

Acadêmicos do Salgueiro – Samba-Enredo – Carnaval 2018

Letra

É mãe, é mulher, a mão guardiã
Calor que afaga, poder que assola
No Vale do Nilo, a luz da manhã
A filha de Zambi nas terras de Angola

Firma o tambor pra rainha do terreiro
É negritude Salgueiro
Herança que vem de lá, oh
Na ginga que faz esse povo sambar

Firma o tambor pra rainha do terreiro
É negritude Salgueiro
Herança que vem de lá, oh
Na ginga que faz esse povo sambar

Senhoras do ventre do mundo inteiro
A luz no caminho do meu Salgueiro
A me guiar, vermelha inspiração
Faz misturar ao branco nesse chão

Na força do seu ritual sagrado
Riqueza ancestral, deusa, raiz africana
Bendita Ela é e traz no axé um canto de amor
Magia pra quem tem fé, na gira que me criou

É mãe, é mulher, a mão guardiã
Calor que afaga, poder que assola
No Vale do Nilo, a luz da manhã
A filha de Zambi nas terras de Angola

É mãe, é mulher, a mão guardiã
Calor que afaga, poder que assola
No Vale do Nilo, a luz da manhã
A filha de Zambi nas terras de Angola

Guerreira, feiticeira, general contra o invasor
A dona dos saberes confirmando seu valor
Ecoou no Quariterê
O sangue é malê em São Salvador

Ó matriarca desse cafundó
A preta que me faz um cafuné
Ama de leite do senhor
A tia que me ensinou a comer doce na colher

A bênção, mãe baiana rezadeira
Em minha vida, seu legado de amor
Liberdade é resistência
E à luz da consciência
A alma não tem cor

Firma o tambor pra rainha do terreiro
É negritude Salgueiro
Herança que vem de lá, oh
Na ginga que faz esse povo sambar

Firma o tambor pra rainha do terreiro
É negritude Salgueiro
Herança que vem de lá, oh
Na ginga que faz esse povo sambar

Senhoras do ventre do mundo inteiro
A luz no caminho do meu Salgueiro
A me guiar, vermelha inspiração
Faz misturar ao branco nesse chão

Na força do seu ritual sagrado
Riqueza ancestral, deusa, raiz africana
Bendita Ela é e traz no axé um canto de amor
Magia pra quem tem fé, na gira que me criou

É mãe, é mulher, a mão guardiã
Calor que afaga, poder que assola
No Vale do Nilo, a luz da manhã
A filha de Zambi nas terras de Angola

É mãe, é mulher, a mão guardiã
Calor que afaga, poder que assola
No Vale do Nilo, a luz da manhã
A filha de Zambi nas terras de Angola

Guerreira, feiticeira, general contra o invasor
A dona dos saberes confirmando seu valor
Ecoou no Quariterê
O sangue é malê em São Salvador

Ó matriarca desse cafundó
A preta que me faz um cafuné
Ama de leite do senhor
A tia que me ensinou a comer doce na colher

A bênção, mãe baiana rezadeira
Em minha vida, seu legado de amor
Liberdade é resistência
E à luz da consciência
A alma não tem cor

Firma o tambor pra rainha do terreiro
É negritude Salgueiro
Herança que vem de lá, oh
Na ginga que faz esse povo sambar

Firma o tambor pra rainha do terreiro
É negritude Salgueiro
Herança que vem de lá, oh
Na ginga que faz esse povo sambar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: